terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Ainda sobre Rui Camacho (1936 - 2014)


[... Outubro deste ano, foi ainda chefe de redacção da revista "Mais" e do semanáio "Tempo"] Nota biográfica sobre Rui Camacho, in suplemento do Diário de Lisboa de 18 de Dezembro de 1989

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

"A Cláusula de Consciência / O Direito dos Jornalistas a Dizer Não", de Otília Leitão


Foi hoje apresentada na Casa da Imprensa, em Lisboa, a obra "A Cláusula de Consciência / O Direito dos Jornalistas a Dizer Não", de Otília Leitão, cuja carreira jornalística passou sobretudo pelas Agências Noticiosas (ANOP, NP e LUSA).

Fruto do Mestrado em "Comunicação Média e Justiça" pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa, o livro aborda a questão pouco conhecida, até entre a classe dos jornalistas, da chamada "cláusula de consciência" que está consagrada na lei.



quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Heróis Anónimos (2) - Jornalismo de Agência - História da Lusitânia e da ANI (1944 - 1975), de Wilton Fonseca e António Santos Gomes, lançamento a 5 de Janeiro


Lusitânia e ANI (1944- 1975): e o jornalismo em Portugal nunca mais foi o mesmo

A trilogia “Heróis anónimos” recria o percurso das agências noticiosas portuguesas que antecederam a LUSA

O livro “Heróis anónimos 2: jornalismo de agência – história da Lusitânia e da ANI (1944 – 1975)”, um trabalho de investigação jornalística sobre as duas agências noticiosas portuguesas que marcaram o jornalismo português antes do 25 de Abril, é apresentado no dia 5 de Janeiro, às 18h00, na Casa da Imprensa, em Lisboa.

O livro tem um prefácio de Pedro Feytor Pinto, que negociou a entrega do poder aos militares revoltados, no dia 25 de Abril de 1974. Será apresentado por Mário Matos e Lemos, o único jornalista que trabalhou na Lusitânia e na ANI. Tanto a primeira (fundada em 1944) como a segunda (fundada em 1947) desapareceram em 1975, na altura em que o Estado português decidiu criar uma agência noticiosa única, a ANOP.

O segundo volume da trilogia “Heróis anónimos – jornalismo de agência” foi escrito pelo jornalista Wilton Fonseca e por António Santos Gomes, o qual exerceu as funções de Director Técnico da ANOP e da Lusa.

A trilogia (o primeiro volume foi publicado em Maio de 2016) pretende dar a conhecer a estrutura e o modo de funcionamento das agências noticiosas portuguesas que antecederam a Lusa e também os jogos políticos que marcaram o surgimento, o desenvolvimento e o fim das quatro empresas. A obra inclui uma série de documentos inéditos, que os autores reputam de grande importância para os estudiosos da história dos meios de comunicação social em Portugal.

“Transparência foi o que menos ocorreu nos conturbados processos que envolveram o destino das duas agências, com as derivas kafkianas que à distância do tempo impressionam pelo que deixam revelado quanto à obsessão de manter sob influência política esse poderoso instrumento que constitui o serviço de informação de uma agência noticiosa” - escreveu no prefácio do primeiro volume o vice-presidente da Assembleia da República, deputado Jorge Lacão. As mesmas palavras também poderiam servir para descrever o processo que marcou o fim da Lusitânia e da ANI.

No terceiro volume da trilogia, os dois autores do segundo volume voltam a reunir-se ao coautor do primeiro, o jornalista Mário de Carvalho. O volume reunirá um conjunto de depoimentos sobre aspectos decisivos da história das quatro agências, escritas por pessoas que os protagonizaram.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

António Esperança (1942 - 2016)


O jornalista António Esperança, que passou pelos quadros da ANOP e da Lusa, faleceu a 26 de Novembro pp.

Do António Esperança guardo duas imagens - furiosamente contraditórias. Por um lado, nos anos agitados de 1974, 1975, 1976... o Esperança era o rosto mais ortodoxo do PCP, numa Redacção profundamente dividida e onde eu me encontrava do lado oposto; por outro, fora dos Plenários, nas expedições gastronómicas e vinícolas, em dias e noites de borga, ele era um companheiro ideal (o Mário Silva, também do PCP, acompanhava-nos amiúde, nomeadamente à zona do Ginjal, em Cacilhas, quando o Ponto Final ainda eram cenário neo-realista e não estava nas agendas da Time Out).

Não admira, pois, que o Esperança e eu, durante quase uma década, tenhamos feito, os dois, sózinhos, longas viagens pelo Inverno da Europa. Em Citroen Diane sucessivos, sempre com  ele a guiar, passámos os cols mais altos dos Pirenéus, passámos depois aos mais exigentes cols alpinos.

Espanha, França, Itália, Alemanha, Áustria e... sobretudo, Andorra, foram percorridos em longas horas de discussões, que raramente versavam a política. Munido de uma cultura geral sólida, o Esperança era um interlocutor ideal. Dormia-se no carro, comiam-se umas sandes... até, no regresso a Portugal, fazer a obrigatória paragem no Principado. Aí, em raid aos supermercados, muníamo-nos de cervejas das mais variadas marcas, de champanhe, queijos, salmão fumado, caviar, chocolates... para refeições verdadeiramente gourmet numa altura em que esses artigos ainda não estavam facilmente disponíveis em Portugal.

Era uma grande aventura andar por esses tempos pela Europa - com poucas auto-estradas, sem telemóvel ou GPS, com passaporte nas fronteiras e moedas diferentes em cada país. Sobretudo, era arriscado por se fazer em Diane já velhos. O Esperança, com a sua média inexorável de 100 km/h (o carro também não dava para muito mais) conseguia, mesmo assim cumprir os horários que tínhamos estudado e preparado em Lisboa, consultando conscienciosamente os enormes mapas desdobráveis.

Numa dessas viagens, o então Chefe de Redacção da ANOP, Maximino Correia, que andava de Porsche e tinha sido piloto desportivo, apostou connosco que não chegaríamos ao túnel do Monte Branco nos dois dias que tínhamos previsto. Pouco antes de se completarem as 48 horas de viagem, lá tirámos o bilhete de travessia do túnel, do lado francês, com a hora marcada, para poder provar que tínhamos conseguido. Noite estrelada à entrada do túnel, nevão gigantesco do lado italiano, com as estradas cortadas e o Diane a conviver com Mercedes, BMW e outros, todos parados, com os passageiros a beberem bebidas quentes num café de fronteira, até à reabertura das vias. O Diane, leve, com "calça alta", conseguia, com correntes nas rodas, andar por onde outros só se atreviam com tracção 4x4.

Um episódio, de ente muitos, que aqui recordo, em memória do meu companheiro de estrada nesses idos de há quase 40 anos - a 16 de Março de 1978 entrávamos em Itália, vindos de Nice. Nesse mesmo dia, saíamos pela fronteira, pelo lago de Como, até à Suíça. Na manhã seguinte, pela rádio, soubemos que o primeiro-ministro Aldo Moro tinha sido raptado exactamente no dia anterior, pelas Brigadas Vermelhas, em Roma. Não demos por nada, nem a fronteira nos pareceu especialmente vigiada.

Numa dessas viagens, depois da paragem obrigatória em Andorra, e por indicação do então delegado da Rádio Nacional de Espanha em Portugal, Ramon Font, e a caminho de Valência, parámos em Los Palmares, pequena localidade entre palmeiras e canais, deserta fora da época turística. O ojectivo era comer um óbvio arroz à valenciana. Um restaurante abriu propositadamente para nós. Disseram-nos para ir dar uma volta, até que a paella estivesse pronta. Deambulando pelos canais, vimos num deles Félix Rodríguez de la Fuente, o célebre autor dos programas televisivos Fauna Ibérica, liderando a sua equipa em filmagens. No regresso, o cheiro do açafrão guiou-nos até à paella recém-preparada numa frigideira enorme, acompanhada de cerveja servida em jarro de alumínio. Foi uma das melhores refeições de toda a minha vida. Graças ao António Esperança. Ergo o meu copo (agora de cerveja sem álcool) à sua memória. Até sempre, Esperança!

Fernando Correia de Oliveira


Na imagem de cima, no Inverno de 1979, num dos cols mais altos dos Alpes italianos. A estrada estava cortada por um nevão e o Diane do Esperança, comigo como "co-piloto", foi o primeiro a passar, depois do trabalho do limpa-neves...


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

JANTAR DAS AGÊNCIAS 2016


(foto Lifecooler)

JANTAR DAS AGÊNCIAS 2016

Sexta-feira, 25 de Novembro
Local: A Padaria do Povo
Morada: Rua Luís Derouet, 20 A - 1º andar
Campo de Ourique Lisboa
Hora: 20H
Preço/pessoa: 17,50€
Inclui:
Entradas: pão, queijo, manteiga ovos com farinheira e linguiça no forno.
Pratos: bacalhau à brás e bifinhos com cogumelos com batatas, arroz e salada
Bebidas de acompanhamento à refeição: água, vinho, sangria, cerveja, refrigerantes.
Sobremesa: arroz doce, mousse de manga e mousse chocolate (a escolher)
café
Agradecemos confirmação até dia 21 de novembro. Pode confirmar a vossa presença nesta página ou através de mail para jantardasagencias@gmail.com

PS: se alguém tiver publicado uma obra sobre jornalismo, pois que traga um exemplar para o disputarmos em leilão amigável para fins de beneficência. E teremos, como sempre, uma mesa onde poderão depositar bens de primeira necessidade que faremos chegar à Caritas.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Manuel Lopes (1945 - 2016) - "Manolo", ou "uma voz inconfundível"


[Realiza-se uma missa de sétimo dia pelo Manuel Lopes na igreja da Encarnação (Largo do Chiado, 15 - Lisboa) na próxima quinta-feira, dia 7 de Julho, às 19h00].

Faleceu o jornalista Manuel Lopes, aos 71 anos. Trabalhou quase sempre como correspondente em Madrid, onde esteve desde os anos de 1970. nomeadamente para a ANOP-Agência Noticiosa Portuguesa, EP (transitando para a Lusa, até 2004) e para a rádio TSF.

Em 19896, Manuel Lopes participou no 2º Congresso dos Jornalistas Portugueses – Deontologia – na secção Correspondentes portugueses no estrangeiro, tendo feito a comunicação "Da deontologia à falta de rigor e de estrutura informativa portuguesa no estrangeiro".

Em Fevereiro de 2016, Manuel Lopes dava um depoimento à TSF, recordando "tempos em que se vivia o entusiasmo e a emoção da informação". Foram 12 anos de reportagens, com uma voz inconfundível. "A TSF deu-me uma experiência nova, a notícia tinha repercussão em Portugal. Quando chegava a Lisboa, o taxista dizia-me: "Conheço a sua voz!" Manuel Lopes foi correspondente da TSF no país vizinho até 2004. Com experiência de jornalismo noutros órgãos de comunicação social, garante que esta rádio deixou marcas. "O entusiasmo, a emoção, a imediatez da notícia e autonomia com que se trabalhava". Entre as muitas reportagens, Manuel Lopes destaca o ataque terrorista em Madrid e a morte de Miguel Angel Blanco, 48 horas após ter sido raptado. Atualmente, Manuel Lopes está reformado, mas diz que não consegue desligar-se da paixão que ficou.

Serafim Lobato, camarada de Manuel Lopes na Agência Noticiosa portuguesa, disse:

Curvo-me perante a memória do "Manolo". A última vez que estive com ele, foi em Lisboa, pouco depois de termos saído da Lusa. Almoçámos. Estivemos a recordar tempos antigos. Naquela altura, o Manel estava dedicado à agricultura na Extremadura ou Andaluzia, agora não sei precisar. A mulher - ele casara tardiamente - herdara uma propriedade dos pais e ele estava todo entusiasmado, pois vendera toda a produção de uva para a região do Dão. Contou-me episódios da sua vida. Fiquei a saber que tinha sido padre católico no bispado de Miranda-Bragança. Entrou em choque ideológico com a Igreja Católica e foi viver para Tui, onde ocupou um cargo na delegação do Turismo de Portugal, indo depois para Madrid.

quinta-feira, 31 de março de 2016

Livro de Wilton Fonseca e Mário de Carvalho sobre a história das Agências ANOP e NP lançado na próxima terça-feira, 5 de Abril


Heróis Anónimos - Jornalismo de Agência (a história da ANOP e NP, 1976-1986), de Wilton Fonseca e Mário de Carvalho. Lançamento na terça-feira, 5 de Abril, na Rua Júlio de Andrade, nº 5, em Lisboa (antiga sede da ANOP).

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Para uma História das Agências Noticiosas - Memórias de Luís Lupi, fundador da Lusitânia VI (fim)


Terminamos aqui a reprodução de algumas entradas das Memórias de Luís Lupi, fundador da Agência Noticiosa Lusitânia.

A rejeição de um serviço comum com a Reuters, o apoio que Marcelo Caetano dá à nova agência, o convívio de Lupi com Ramiro Valadão (que estará na origem da RTP) ou Dutra Faria (futuro fundadador da ANI), bem como resistências e divisões dentro do Regime sobre a Lusitânia e o seu papel estão nestas entradas, numa Europa do pós-guerra.

A defesa da abolição da Censura para os despachos dos correspondentes estrangeiros em Lisboa, a defesa de uma rede de correspondentes nacionais nas principais metrópoles ou a ocupação, por parte dos Aliados, da Embaixada da Alemanha em Lisboa (testemunhada pessoalmente) são outros temas que aqui trazemos.

"A verdade é que continuamos, em 1973, sem dispor dessa grande Agência que eu imaginara [...]", diz um desiludido Luís Lupi.



















sábado, 30 de janeiro de 2016

Para uma História das Agências Noticiosas - Memórias de Luís Lupi, fundador da Lusitânia V


Prosseguimos a reprodução das Memórias de Luís Lupi, fundador da Agência Noticiosa Lusitânia. Na entrada de 9 de Novembro de 1944 dá-se conta da aprovação do projecto por parte de Marcelo Caetano, Ministro das Colónias e futuro Chefe do Governo.

Na longa entrada de 2 de Janeiro de 1945 fala-se do "Nascimento, Glórias e Misérias" da Lusitânia. Fala-se das divisões no Regime quanto à ideia de criar uma agência noticiosa nacional. Mas o projecto concretiza-se. "Foi assim possível que no dia 30 de Dezembro de 1944, um sábado, pelas 15,30 horas, tivesse lugar na Sociedade de Propaganda de Portugal, a solene inauguração da Agência Noticiosa Lusitânia, com a presença do sr. ministro das Colónias e de algumas outras altas individualiudades, que toda a imprensa relatou..."

Dutra Faria, que estaria depois na fundação da ANI, é colaborador da Lusitânia.

Na sua Carta de Princípios, a Lusitânia declara-se por "um serviço noticioso que, absolutamene, seja objectivo, factual e livre de desmentidos". E diz não ser uma agência oficial, oficiosa ou comercial.

Na nota que Lupi acrescenta a esta entrada, já em 1972, nota-se a rivalidade que havia entre a Lusitânia e a ANI.